Língua

Aprendendo uma nova língua

Ser capaz de se comunicar com falantes nativos.

Compreender o que é dito em programas, séries, vídeos, filmes etc.

Poder viver em um país onde a língua é diferente da sua nativa.

Ler e aproveitar um novo mundo de informação que aquele país tem a oferecer.

Isso tudo pode ser resumido em uma simples frase:

Eu quero aprender a falar um novo idioma.

 

Se eu disser que para conseguir isso, a melhor, a mais fácil e mais rápida maneira é entrando numa boa escola de idiomas, eu vou ser contrariado. Pois há quem pensa o contrário.

Se eu disser que é necessário nascer com o dom, eu vou ser contrariado.

Se eu disser que só é possível se você for para o país, eu vou ser contrariado.

Muitos buscam métodos, muitos buscam a resposta para saber qual o método ideal.

E muitos mudam de opinião, mudam de pensamento nesta jornada.

Os poliglotas que obtiveram sucesso dizem: “Quer aprender rápido? Faça assim! Este é O método!”

Mas não é bem assim.

Não vou te dizer qual o melhor método para todos, porque afinal, isso não existe!

Não existe melhor método? Não um para todas as pessoas.

Mas espera aí, isso aí também não é uma crença?

Sim, esta é minha crença. Todos temos uma, não tem como fugir, não tem como não acreditar em alguma coisa, se você acha que tem, então você crê nisso.

Com relação a minha caminhada para aprender japonês (sou falante nativo de português-br):

Inicialmente achava que não tinha segredo para aprender uma nova língua. Basta apenas querer, mergulhar, e seguir em frente.

Era nômade, sem rumo.

Depois percebi que você não chega ao destino sem direção. Conheci um método de estudo que consiste em colocar coisas para dentro do cérebro (input) em primeiro lugar em vez de tirar (o que não tem).

Parece óbvio, mas muitas pessoas não acreditam nisso.

Eu finalmente tinha descoberto a verdade, tinha descoberto o “segredo” por trás de tudo. Isso me motivou e me empurrou para frente.

Um ano e meio depois, conheci pessoas de diversas doutrinas. Percebi então que falar a respeito de método de aprendizagem era algo muito mais sério do que eu pensava. Pode gerar conflito, se as opiniões forem opostas. Felizmente, eu descobri isso antes mesmo de eu expor o que eu penso sobre isso.

É um assunto muito sensível. É como uma espécie de religião. Uma crença.

Existem os nômades que são como “freelancers”. Vão vasculhando a internet atrás de conteúdo.

Existem os que nunca conheceram nenhum método. São os ateus. A maioria começa assim. Apenas esforço e dedicação própria é necessário, mais nada.

Existem os da predestinação que acham que uns nasceram para saber, outros (inclusive ele) nunca vão aprender o idioma.

E existem os católicos/catequistas, repetição e “decoração” são a chave. Desculpa a analogia, sei que não é bem assim.

Existe o estado islâmico que forçam seus ideais… etc..

kkkk, já estou indo longe de mais.

Desculpa se eu fiz uma analogia que ofendeu alguém ou alguma crença, eu realmente não conheço muito, talvez (provavelmente) eu esteja errado na comparação de algumas delas.

Eu estou tentando ao máximo não gerar polêmica, Não estou tentando insinuar ou persuadir nada.

Eu já passei por muitos destes casos.

A conclusão que chego hoje é que…

Para a maioria das pessoas, existe um caminho.

Caminho: (Uma escola, um curso online, algo que já tem um conteúdo programado) um caminho, seria algo já trilhado, algo que alguém já passou e que já está construído. O que você faz é segui-lo.

Uns não tem caminho, como se vagassem pelo deserto. Apenas sabem a direção, mas não tem um caminho específico.

A forma como você vai fazer, é o veículo (mais conhecido como método). Por isso uns dizem que um é mais rápido que outro. Por exemplo, uma escola tem um método, que é de ensinar da mesma forma que crianças aprendem na escola primária do país do idioma desejado.

Uns vão de camelo, outros vão de Jeep. Por exemplo: Eu aprendo (eu não) vendo vídeos na internet, ou apenas assisto filmes sem legenda e pesquiso significado das palavras que não sei, ou ainda, converso com nativos por vídeo conferência.

Neste exemplo, você pode até estar num Jeep, mas não tem um caminho pronto, é necessário criar seu próprio caminho / achar conteúdo, e talvez encontre dificuldades / barreiras ao longo do percurso.

Uns viajam para o país. Isto é como ir de jato: Caro, porém, super eficiente.

Uns vão sozinhos e outros com caravana.

Aqui já está passando da analogia para o real!

Em fim, uma das coisas que mais influencia é o método.

Não posso dizer para todos os tipos de pessoa, mas apenas para os que se enquadram no meu:

Que começaram do zero* na faixa dos 21 anos, que aprendem uma língua completamente diferente da sua incluindo o sistema de escrita que é uma enorme barreira. Nativo de uma língua cheia de cultura ocidental aprendendo uma com pensamento oriental. Vivendo num país onde o contato involuntário com a língua é quase nulo, havendo necessidade de criar artificialmente submersão ao idioma. Com influência negativa dos amigos e parentes sobre a decisão, que impede de expor a sua ocupação. Num país onde o ensino deste idioma ainda não é tão maduro/evoluído. Não sendo descendente.

* Começar do zero significa não ter antecedências com a língua, não ter parentes falantes, e não ter tido contato com a língua na infância.

Para esse tipo de pessoa, posso dizer que é necessário certos requisitos:

  • Motivação, entusiasmo, força de vontade, atitude.
  • Esforço e dedicação.
    •  (Estes não são requisitos para todos. Por exemplo, pessoas que quando criança, em torno de 7 ou 8 anos, tiveram contato com as duas línguas simultaneamente.)
  • Ferramentas. Um computador, por exemplo é a porta para o acesso à grande e conhecida internet. <- isso é óbvio.
  • Confiança. Em caso de emergência, como hibernação por exemplo, é necessário um pouquinho de “esperança” também.
  • Persistência: Erros e quedas sempre acontecem.

 

Por último, sabemos que tempo é necessário também, e consequentemente a paciência.

Para finalizar, deixo apenas um conselho:

Não desista!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *